O que é e que perigo representa uma trovoada seca

Por definição, “uma trovoada seca é uma trovoada que não tem nenhuma ou muito pouca precipitação associada, mas tem atividade elétrica”. A ausência de precipitação pode criar uma falsa sensação de segurança que representa um sério risco para a segurança das pessoas e das estruturas. Neste cenário, um sistema com sensores capazes de detetar todas as fases da trovoada e de emitir avisos antes do primeiro impacto pode fazer a diferença.

O raio é uma descarga elétrica atmosférica poderosa que pode ser muito perigosa dependendo do local que atinge. Normalmente associamos trovoadas a chuva forte, rajadas de vento e atividade elétrica, mas os três fatores nem sempre ocorrem ao mesmo tempo ou com a mesma intensidade.

O fenómeno conhecido como trovoada seca acontece quando nas capas médias e baixas da atmosfera não se reúnem condições de humidade suficientes para que a chuva seja significativa, nem há ar frio suficiente a grande altitude (camadas superiores) para a tempestade ter uma boa estrutura e desenvolvimento vertical.

Há tão pouca humidade a níveis baixos e médios que a chuva evapora antes de atingir o solo. Nestes casos, são frequentemente vistos pequenos filamentos de chuva a sair da base das nuvens que não tocam o solo, conhecidos como virga. Embora não seja exclusivo do período estival, este fenómeno tende a ocorrer principalmente no Verão e em zonas secas onde se atingem temperaturas elevadas e é uma das principais causas de incêndio causado por descargas atmosféricas.

As atividades a céu aberto são especialmente sensíveis à queda de um raio. Parques eólicos, instalações fotovoltaicas, refinarias, minas, instalações militares, grandes eventos desportivos, campos de golf ou aeroportos correm o risco que uma ou várias descargas elétricas produzam graves danos tanto pessoais como económicos, caso não sejam tomadas as medidas preventivas com suficiente antecedência.

Perante uma trovoada seca, a ausência de chuvas pode conduzir a uma falsa sensação de segurança que faça com que não se tomem as medidas necessárias para proteger tanto as pessoas como estruturas sensíveis, ao não se percecionar o risco da mesma forma.

Os sistemas de deteção de trovoadas são utilizados para ativar uma série de protocolos destinados a esta proteção. Devem ser capazes de detetar todas as fases de uma trovoada para que sejam realmente funcionais.

Deteção de trovoadas: um sistema inteligente e alertas mais fiáveis graças à tecnologia de duplo sensor

Os sistemas de deteção que contam com um sensor de campo eletromagnético são capazes de detetar as trovoadas que se aproximam da zona a proteger. No entanto não são eficazes quando estas se formam sobre a zona a proteger. O primeiro impacto pode ser critico e produzir danos.

O sistema de deteção de trovoadas ATSTORM® conta com sensores de campo eletrostático e sensores baseados em campo eletromagnético. Os seus alertas de aviso de formação ou aproximação de tempestades na área a proteger (raio de 20 km) baseiam-se exclusivamente na medição do campo eletrostático ambiente. Esta medida é a única proteção preventiva robusta porque deteta todas as fases da tempestade definidas na norma IEC 62793:2020, desde a inicial até ao bom tempo, uma vez passada a tempestade. Os sensores de campo eletrostático são os únicos capazes de determinar o risco real de trovoadas antes de estas ocorrerem. O sensor do campo eletromagnético, por outro lado, estende a área de monitorização a um raio de 40 quilómetros e permite definir um estado de pré-aviso para tempestades ativas à distância.

Para além da sua tecnologia de duplo sensor, o sistema local de deteção de trovoadas ATSTORM® da Aplicaciones Tecnológicas é operado remotamente por peritos via IoT (Internet of Things), para que o seu correto funcionamento seja sempre assegurado, ao mesmo tempo que se efetuam todas as adaptações, calibrações e atualizações automáticas, sem necessidade de intervenção do utilizador.

Ao enviar dados para um servidor centralizado, pode modificar algoritmos de alarme para melhorar o desempenho, cruzar dados de referência com outras fontes para melhorar o sistema, adaptar algoritmos a alterações que possam ocorrer no local, e monitorizar o estado do equipamento para manutenção preditiva.

Se desejar saber mais sobre a deteção local de tempestades e o funcionamento do ATSTORM®, pode contactar-nos no seguinte link e descarregar gratuitamente o ebook Gestão avançada do risco de raios.

Pode também assistir aos nossos webinars sobre deteção de trovoadas no seguinte link.