Retirada de para raios radioativos, como atuar?

Apenas os especialistas em resíduos nucleares, com as proteções adequadas, podem desinstalar os para raios radioativos

Os  para raios radiativos proliferaram  principalmente nos finais dos anos 50 e durante os anos 60. Em alguns países continuam a ser utilizados.

Baseiam-se na ideia de ionizar o ar mediante fontes radioativas aumentando assim o raio de proteção do para raios, porem esta teoria nunca foi provada, nunca foi definida nenhuma norma ou ensaio com o qual se pudesse determinar o seu raio de proteção. Além do mais, acarreta um problema evidente, fontes radioativas sem controle, instaladas em lugares acessíveis e próximos a pessoas. Muitas normas atuais, proíbem a sua utilização.

A retirada destes equipamentos deve ser realizada sempre por pessoal especializado em resíduos radioativos e deve desmantelar-se toda a instalação, já que também a baixada pode estar contaminada. Uma vez retirado, o para raios pode ser substituído por um para raios ionizante não radiativo, que não utiliza nenhum elemento que coloque em perigo pessoas ou o meio ambiente, e cujo raio de proteção é determinado segundo os critérios dos ensaios descritos em normas que regulam os materiais e instalações.

Para mais informação pode contactar aqui com as Aplicaciones Tecnológicas