Diferenças entre a soldadura exotérmica e soldadura Brazing

A soldadura é um processo de fixação onde se realiza a união de duas ou mais peças, geralmente metálicas. Para conseguir uma união destas peças o mais comum é a utilização de um material de aporte na zona de conexão que, ao fundir e arrefecer, consegue uma união permanente.

Existem diferentes tipos de soldaduras e diferentes formas de as classificar. Uma delas é diferenciando se as peças a soldar se fundem ou não ao aplicar o material de aporte.

Vantagem da soldadura exotérmica Apliweld® Secure+ vs soldadura Brazing

A soldadura brazing inclui-se dentro dos processos de solda onde as peças a soldar não se fundem com o material de aporte.

Para fundir o material de aporte aplica-se calor forte, e este material difunde-se por capilaridade entre os materiais a soldar. Ao arrefecer produz a fixação que proporciona a soldadura.

Este tipo de união serve para unir uma grande quantidade de metais e ligas, mas implica certos riscos laborais e de procedimento a ter em conta.

A soldadura exotérmica implica a fusão das peças a soldar. O material de aporte é neste caso o cobre fundido que funde total ou parcialmente os extremos das peças a soldar.

Soldadura exotérmica de Aplicaciones Tecnológicas

Desta forma produz-se a união molecular perfeita dos materiais, ou seja, igualam-se ou melhoram as propriedades elétricas dos próprios condutores na zona de conexão.

Assim, a primeira diferença a favor da soldadura exotérmica provém diretamente das propriedades elétricas que proporcionam a união.

Uma segunda vantagem está relacionada com o equipamento necessário. Em brazing necessitamos de uma fonte de energia potente como um maçarico ou um soldador elétrico.

Além do consumo de energia que implica realizar a união, a própria fonte utiliza materiais inflamáveis como o acetileno (de utilização comum) ou gases de alta combustão como o propano. A utilização deste tipo de gases implica um alto risco de incêndio, explosão e outros perigos derivados da sua utilização e armazenamento, tal e como indica a Agência Executiva para a Saúde e Segurança do Reino Unido:

  • Incêndios e explosões resultantes da libertação de gases inflamáveis por fuga
  • Incêndios e explosões dentro do equipamento causado por um flashback da zarabatana.
  • Incêndios e explosões dentro do equipamento causados pela decomposição ou detonação do acetileno por ausência de ar ou oxigénio
  • Queimaduras com o Maçarico, por material ou superfícies incandescentes
  • Lesões oculares provocadas por partículas incandescentes

No caso de utilizar acetileno, quando este entra em contacto com alguns dos metais como o cobre pode formar acetílidos. Isto acontece maioritariamente quando a humidade está presente e pode chegar a despoletar ou iniciar a decomposição de acetileno.

Pelo contrário, a soldadura exotérmica, não requer praticamente energia para levar a cabo o processo. Apenas uma tensão mínima para iniciar. Uma vez em marcha, o processo obtém por si mesmo a energia necessária para acontecer com êxito.

Portanto em comparação, o processo de soldadura exotérmica não requer praticamente energia externa para a sua realização, além de que este pequeno aporte obtém-se de maneira mais simples e segura.

Existem outras diferenças não menos importantes na hora de decidir o sistema de soldaduras a utilizar nume rede de terras e que também tornam mais recomendável a soldadura exotérmica perante o brazing:

  • O material de aporte em brazing depende dos condutores a soldar. Não é o mesmo soldar duas peças de cobre, ou peças de cobre a aço. Em soldadura aluminotérmica utiliza-se sempre o mesmo composto.
  • A dificuldade de uma boa conexão e o tempo de execução aumenta muito no brazing conforme maiores são os condutores a soldar, enquanto que na soldadura exotérmica o procedimento é praticamente igual. Além disto a soldadura a cabo de cobre nu é complicada com brazing.
  • No geral, a preparação necessária de um operário é mais especifica em brazing já que a limpeza, os conhecimentos e as próprias soldaduras são mais difíceis de realizar.

Se quiser conhecer mais sobre o sistema de soldadura exotérmica em pastilhas, pode inscrever-se numa das sessões formativas Aplicaciones Tecnológicas. Os cursos Apliweld® Secure+ são dirigidos a profissionais do setor elétrico, arquitetos, engenheiros, instaladores…

Caso não possa assistir às formações, mas quer saber mais sobre como funciona o sistema Apliweld®, entre em contacto connosco. A nossa equipa de especialistas poderá oferecer-lhe apoio personalizado.