Guia básico de instalação e manutenção dos para-raios de ionização (PDI) DAT CONTROLER® REMOTE de Aplicaciones Tecnológicas

Um para-raios com dispositivo de ionização, conhecido também pela abreviatura PDI ou pelo nome de para-raios ionizante, é um sistema de proteção externa contra o raio de alta tecnologia. Estes para-raios tipo PDI são também conhecidos por para-raios ativos ou de antecipação e devem cumprir as Normas e Regulamentos nacionais e internacionais (principalmente as NP4426, UNE 21.186, NFC 17.102, Código técnico de Edificação, apartado SU8).

Como funciona o para-raios com dispositivo de ionização?

Os para-raios com ionização de Aplicaciones Tecnológicas caracterizam-se por ter no seu interior um gerador eletropulsante que emite impulsos elétricos. Em condições normais, o gerador encontra-se em modo de espera, ativando-se quando se iniciam as condições de tempestade e permanece em estado de pré-controlo que o traçador descendente se encontre dentro do alcance do dispositivo. Quando isto acontece, forma-se o traçador ascendente, criando-se o caminho para a descarga elétrica causada pelo raio.

A corrente do raio passa pelo exterior da armadura e através do gap para ser conduzida até à terra, sem danificar o circuito interno. Quanto mais se adianta o traçador ascendente (dependerá do modo que escolhemos), a maior altura captura o traçador descendente do raio e evita a queda de raios numa área maior.

Onde se pode instalar um PDI?

Os para-raios com dispositivo de ionização (PDI) podem ser instalados em qualquer tipo de estrutura, proporcionando um ponto referente e controlado de impacto de raio. Os espaços mais recomendáveis para a sua instalação, abarcam tanto zonas próximas como áreas abertas. Este tipo de para-raios é muito versátil em relação à sua instalação, pelo que pode garantir a proteção contra o raio em todo o edifício e espaços abertos, controlando a sua descarga e conduzindo a sua energia de forma segura à terra.

Os PDI de Aplicaciones Tecnológicas estão instalados em todo o mundo e em todo o tipo de locais: zonas desportivas, refinarias, zonas mineiras, edifícios emblemáticos, etc.

É sempre conveniente realizar um estudo prévio para decidir a localização do para-raios e os materiais complementares necessários para alcançar a maior área de cobertura, dependendo do local escolhido, do seu tamanho e das condições ambientais em que se encontra.

Elementos básicos para a instalação de um para-raios

A regra principal a ter em conta para instalar um para-raios com dispositivo de ionização PDI, é a altura a que se coloca o mastro. Deve ser instalado de forma a que o para-raios fique pelo menos 2 metros acima de qualquer outro elemento dentro do seu raio de proteção. Instala-se no telhado do edifício, dada a definição do raio de proteção das normas, o ideal é que o mastro se eleve pelo menos 5 metros para garantir a proteção da cobertura e de todos os objetos sobre a mesma. Para a fixação do dispositivo, têm que ser utilizadas fixações que suportem o peso do para-raios e do mastro e adequadas às condições da instalação.

O PDI, como acontece com todos os sistemas de proteção contra o raio, deve ser acompanhado da instalação de baixadas e de um sistema de rede de terras. A trajetória do condutor de baixada deve ser o mais retilínea possível, seguindo o trajeto mais curto e evitando qualquer ângulo brusco ou qualquer elevação. O cabo da baixada deve ser instalado pelo exterior do edifício (sempre que possível), evitando a proximidade de conduções elétricas ou de gás, ou realizando uniões equipotenciais se a distância não for suficiente para evitar faíscas perigosas.

Para a proteção integral contra o raio, seria conveniente instalar também na baixada do para-raios um contador de raios, já que a norma de proteção contra o raio recomenda realizar uma inspeção do sistema de proteção quando este recebe uma descarga. Neste sentido, Aplicaciones Tecnológicas, desenhou um contador de raios, ATLOGGER, um equipamento que monitoriza a atividade elétrica na baixada, registando a amplitude e polaridade do impulso de corrente, assim como a data e hora a que o evento teve lugar. O contador de raios ATLOGGER realiza ainda uma estimativa da carga e da energia especifica do impulso.

Em relação à rede de terras, é fundamental saber que, seja ou não um elemento visível, é uma parte fundamental e imprescindível de um sistema e portanto, na proteção contra o raio.

A função da rede de terra numa instalação elétrica é dissipar no terreno as correntes de qualquer natureza que possam acontecer, de correntes de defeito a correntes de frequência industrial. No caso do sistema de proteção contra o raio, a corrente das descargas atmosféricas deve ser dissipada, protegendo pessoas e equipamentos elétricos de diferenças de potencial. Se deseja saber mais detalhes visite o nosso artigo sobre a importância de uma rede de terra adequada.

Passos a seguir para a instalação de um para-raios com dispositivo de ionização (PDI)

De seguida indicam-se passos simples que demonstram como se deveria realizar uma instalação de um PDI em termos gerias.

  1. Instalação da rede de terra, medida de resistência de terra e 1ª fase de Condutiver Plus.
  2. Colocação das fixações de mastro
  3. Montagem do para-raios, peça de adaptação, mastro e condutor
  4. 2ª fase de Condutiver Plus
  5. Colocação de suporte e fixação do conjunto de para-raios, peças e mastro
  6. Fixação das braçadeiras da baixada
  7. Instalação de contador de impactos e calha de proteção
  8. Colocação da Caixa e ponte de comprovação
  9. Medição final da resistência da rede de terras

Observe através deste link um vídeo sobre como se realiza a instalação de um para-raios PDI pela equipa de profissionais de Aplicaciones Tecnológicas.

para-raios de ionização raio

Quando realizar a revisão do para-raios?

Segundo indicam as normas nacionais e internacionais, os para-raios devem submeter-se a inspeções e manutenções periódicas. A instalação de um para-raios deve submeter-se a uma revisão sempre que a estrutura do edifício se modifique ou repare, ou quando a estrutura tenha recebido o impacto de um raio, e mesmo que não aconteça nenhuma destas situações, as revisões dos para-raios devem ser feitas de forma periódica.

Como parte do protocolo de manutenção, realizam-se os seguintes tipos de verificação:

Verificação visual: revisão anual para instalações com nível de proteção I e II. Para níveis de proteção III e IV, a verificação visual deve realizar-se a cada dois anos.

Na verificação visual deve ser comprovado que:

  • Não existem danos causados pelo impacto de raios.
  • O para-raios conserva íntegros todos os seus elementos.
  • A continuidade dos condutores é correta.
  • As fixações encontram-se em bom estado.
  • Não existem peças deterioradas por corrosão.
  • O estado das uniões equipotenciais é correto.

Verificação completa: para níveis de proteção I e II, a verificação completa realiza-se a cada dois anos. Em níveis de proteção III e IV, a verificação realiza-se pelo menos a cada 4 anos.

A verificação completa compreende as inspeções visuais antes descritas e outras medidas. É necessário verificar a continuidade elétrica dos condutores e o correto funcionamento do para-raios segundo as indicações do fabricante.

No caso dos para-raios de tipo PDI também se deve comprovar o correto funcionamento da cabeça do para-raios. Os para-raios instalam-se no ponto mais alto da estrutura, sempre dois metros acima de qualquer elemento a proteger e geralmente sobre um mastro de seis metros, pelo que na maioria das ocasiões torna-se complicado aceder até à cabeça e coloca em risco o operário que deve fazer estas revisões.

Para facilitar esta tarefa de manutenção, na Aplicaciones Tecnológicas incorporou-se um teste remoto ao para-raios com dispositivo de ionização (PDI) DAT CONTROLER REMOTE. Desta forma não é necessário aceder fisicamente à cabeça do para-raios, já que dispõe de um sistema que comprova diáriamente o estado e envia o resultado a uma aplicação web, onde se podem consultar os dados atualizados a todo o momento.

Verificação completa dos sistemas críticos: esta verificação deve-se realizar pelo menos uma vez por ano em todos os níveis de proteção.

Em alguns países, como México ou India, entre outros, onde a temporada de chuvas está muito centrada numa época do ano e é abundante, torna-se muito importante realizar a manutenção do para-raios antes do começo deste período do ano. Entre em contacto com um especialista para realizar a manutenção do para-raios e receber a acessoria necessária.

Na Aplicaciones Tecnológicas convidamo-lo a participar nos nossos cursos online gratuitos sobre a prevenção e proteção contra o raio: para-raios com dispositivo de ionização, protetores contra sobretensões, redes de terra, detetores de trovoadas…Todos os nossos webinars são dirigidos a profissionais do setor e os locais são limitados, não perca a oportunidade de conhecer a fundo as vantagens de cada produto pela mão dos melhores especialistas.

Se quer participar nestas sessões de formação, procure o tema que lhe interessa no seu idioma, o curso organizado para o seu país e comprove o horário através deste link.